Custo de um funcionário em Portugal: Não leve a sua empresa à falência

É imperativo que as empresas tenham atenção à sua saúde financeira, e para isso é preciso ter em consideração o custo de um funcionário.

A organização precisa ter um fluxo de caixa para manter as operações ativas, para aproveitar oportunidades de mercado e continuar sempre a investir. 

Calcular o custo dos funcionários é essencial à saúde financeira da sua empresa. Na imagem aparece uma calculadora com uma colher e uma batat, que representa o equilíbrio financeiro.
Créditos: Pixabay 

É muito comum ver empresas com bons produtos e bons serviços fecharem as suas portas, fecharem atividade profissional, deixando uma boa ideia, um bom produto e um bom serviço fora do mercado que até o procurava. 

Mas porque é que isto acontece?

A base é a falta de planeamento. 

Isto acontece no momento em que a procura pelos produtos ou serviços de uma empresa aumenta e, a organização para responder a essa procura de mercado, faz investimentos, como por exemplo, em recursos humanos para rapidamente responder a essa procura. 

Todos os investimentos devem ser devidamente planeados e os riscos minuciosamente analisados. Sobretudo os processos de contratação de recursos humanos, é de uma complexidade infinita que falamos, pessoas! 

No entanto, esta questão deve ser tomada em consideração a qualquer momento na sua empresa. 

Questões que deve tomar em consideração

Quer esteja a planear a abertura de uma empresa em Portugal ou até mesmo se já abriu a sua empresa e o que pretende é expandi-la, internacionalizar-la ou como falamos há pouco, simplesmente responder a uma maior procura do mercado,  há algumas questões que deve ter em conta, uma delas, muito importante é saber o custo de um funcionário para uma empresa em Portugal. Entenda qual o salário minimo e qual o salário máximo que a sua empresa pode suportar. 

O salário minimo em Portugal, em 2021 é de 665 € defenido pelo Governo do Primeiro Ministro António Costa e aprovado pelo Presidente da Républica Marcelo Rebelo de Sousa.

Contudo, o custo dos funcionários é muito mais do que simplesmente o  salário que aufere e para que não haja surpresas desagradáveis é bom ter este conhecimento antes de mais. 

Calcule os custos antes de contratar

Para que uma empresa não faça contratações que não pode posteriormente suportar, e para evitar processos de reestruturação empresarial com despedimentos, o ideal é que consiga calcular o custo mensal e anual de cada funcionário da sua empresa. É importante que tenha em conta o salário minímo e o salário mais alto que, sem colocar em risco a saúde financeira da sua empresa, poderá pagar aos seus funcionários. 

Antes de iniciar qualquer processo de contratação, entenda se a sua empresa o pode fazer e se tem saúde financeira para enfrentar essa operação e os custos que ela envolve.

Neste artigo vamos abordar os principais pontos a ter em conta quando se pretende calcular o custo de um funcionário para qualquer empresa em Portugal. 

Iremos disponibilizar uma ferramenta para facilitar esse cálculo, uma calculadora de custos de funcionários.

Iremos abordar questões referentes a como calcular o salário base de cada funcionário. Por exemplo como calcular as contribuições para a Segurança Social, como calcular o seguro de acidentes de trabalho, como calcular o subsídio de alimentação, bem como outros custos complementares a cargo das empresas. 

Utilize calculadoras de custos de funcionários.
Créditos: Imagem Google com licença de utilização comercial.

 

Calcular o salário base de cada funcionário

Tendo em conta o valor bruto do salário, independentemente de ser o salário mínimo,  mas que neste exemplo seguinte vamos tomar como base 1000 euros, esse valor terá que ser multiplicado por 14 (12 meses do ano mais 1 mês de subsídio de férias  e mais 1 mês de subsídio de Natal). 

Posteriormente terá que dividir o resultado por 12, ficando assim com o valor referente ao custo médio de cada funcionário mensalmente.

Terá que efetuar o mesmo cálculo para apurar o custo referente à Segurança Social e para o seguro de acidentes de trabalho.

Exemplo Prático do cálculo base de cada funcionário

Vejamos o exemplo prático para calcular o salário base de cada funcionário:

1.000€ x 14 = 14.000€ / 12 = 1.166,6€

Calcular as contribuições para a Segurança Social

A Taxa Social Única (TSU) é a contribuição paga mensalmente à Segurança Social quer pela entidade patronal, quer pelo funcionário. A Taxa Social Única corresponde a 34,75% do vencimento bruto, dos quais 23,75% são obrigatoriamente pagos pela entidade empregadora e os restantes 11% pagos pelo funcionário.  Existem algumas excepções permitidas pelo Estado, no que respeita a isenção da TSU, com o propósito de incentivar a criação de emprego e manter postos de trabalho.

Vejamos o exemplo prático para calcular as contribuições para a Segurança Social de cada funcionário:

Exemplo Prático do cálculo das contribuições para a Segurança Social

1.000€ x 23,75% = 237,5€

237,5€ x 14 = 3.325€ / 12 = 277,08€

Calcular o Seguro de Acidentes de Trabalho

Por lei, o Seguro de Acidentes de Trabalho é obrigatório para todas as empresas. Aqui não há exceções, independentemente da dimensão ou número de funcionárioes.

Este seguro obrigatório é mais um custo que terá que calcular e ter em conta.

Este custo pode variar em função de muitos fatores, como por exemplo o risco associado à profissão que o funcionário exerce, o tipo de apólice contratada, etc. 

O seguro de acidentes de trabalho é obrigatório para todos os funcionárioes ao serviço da empresa e em média ronda 1% dos rendimentos globais a segurar.

Exemplo Prático do cálculo do seguro de acidentes de trabalho

Vejamos o exemplo prático para calcular o custo do Seguro de Acidentes de Trabalho para cada funcionário:

1000€ x 1% = 10€

10€ x 14 = 140€ / 12 = 11,66€

Calcular o subsídio de alimentação

O limite de isenção de incidência de IRS e de TSU do subsídio de refeição depositado na conta bancária juntamente com o valor do ordenado é de 4,77 euros por dia, já o limite do subsidio de refeição pago sob a forma de cartão de refeição ou vouchers de alimentação é de 7,63 euros antes de ser sujeito a impostos. 

Tendo em conta as duas formas que este subsídio tem de ser pagas, também estas duas formas têm diferentes custos. Mas, para apurar o valor anual referente ao Subsídio de Alimentação basta multiplicar o valor do subsídio por 21 dias e depois o resultado dessa multiplicação por 11 meses. 

Para fins contabilísticos o mês comercial tem 21 dias úteis e será sobre esses 21 dias que incide o valor do subsídio de alimentação. Ainda que o mês tenha 12 meses o subsídio de alimentação não existe no período de férias, que são de 22 dias por ano.

Exemplo Prático do cálculo do subsídio de alimentação

Para chegarmos ao valor anual deste subsídio, somente precisamos fazer algumas multiplicações. 

Vejamos o exemplo prático para calcular o custo do Subsídio de Alimentação  para cada funcionário:

  • Cartão refeição:

7,63€ x 21 dias úteis = 160,23€ x 11 meses = 1.762,53€/12 = 146,87 €

  • Folha de ordenado:

4,77€ x 21 dias úteis = 100,17€ x 11 meses = 1101,87€/12 = 91,82 €

 

Calcular custos-extra/ custos complementares

A entidade empregadora é, por lei, obrigada a dar aos seus funcionárioes um mínimo de 35 horas  de formação acreditada por ano.

Esta obrigação pode também ser fundamental para o desenvolvimento da empresa. Novas formações e aquisição de mais e melhor conhecimento vai traduzir-se na optimização de processos e numa melhor gestão de recursos. Isto claro sem falar no crescimento profissional e pessoal que mais do que nunca nos dias de hoje tem que estar aliado. 

Devem também ter em conta despesas referentes à medicina no trabalho, formação de higiene e segurança no trabalho, formações de assédio moral, auditorias e outras formações que também vão determinar a cultura empresarial da organização.

Cálculos finais do custo de um funcionário

(considerando o uso de cartão de alimentação)

Custo médio de um funcionário por mês: 1602,21 €

Custo médio de um funcionário por ano: 19 226,52 €

 

Utilize calculadoras de custos de funcionários. Na imagem aparecem números ilustrativos dos botões de uma calculadora.
Créditos: Pixabay

Ferramenta para ajudar: Calculadora de custos por Funcionário

PMEsalários

Como esta questão relativa aos custos de um funcionário pode ser algo complexa, para que se torne mais simples foram criadas algumas ferramentas que fazem esse cálculo com muito rigor. São calculadoras de custos de funcionários, muito úteis e muito praticas.

É o caso do https://pmesalarios.pt/simulacao/custofunc 

A PMEsalários é uma ferramenta informática de gestão de salários a pensar nas pequenas e médias empresas.

Esta ferramenta disponibiliza dois simuladores muito úteis:

  • Simulador de salários (calculadora de salários de funcionários)
  • Simulador de custo de funcionário (calculadora de custos de funcionário para as empresas)

A calculadora de salários é mais direcionado aos funcionários. 

A calculadora de custos de funcionários faz um cálculo real dos custos de cada funcionário na ótica da empresa. Ficará com uma noção clara do vencimento do funcionário e também do custo que ele representa para a entidade patronal.

Todos estes pontos que abordamos anteriormente são essenciais quando se pretende calcular o custo que um funcionário tem para uma empresa. 

Conheça os riscos

Como já referimos anteriormente é importante que mantenha sempre o fluxo financeiro da sua empresa o mais saudável possível. Existem para além da ferramenta que apresentamos, outras que podem ser também muito úteis. Mas se mesmo assim não se sentir confiante para fazer este tipo de cálculos, procure um gestor ou alguma outra empresa especializada, que através de uma mentoria, o poderão ajudar, respondendo às questões que mais o preocupam.

Não tome decisões sem conhecer os riscos que elas acarretam. É importante também ter em atenção que quando falamos de funcionários, estamos a falar de pessoas, e enquanto pessoas existe toda uma expectativa em relação ao emprego, ser alvo de uma reestruturação empresarial, e ser despedido pode ter um impacto inimaginável para a vida dos trabalhadores da sua empresa. 

Isto sem falar que, por pior que seja, uma reestruturação empresarial, com despedimentos de funcionárioes este não é para si, dono da empresa o pior cenário. Tenha em conta que a taxa de mortalidade das empresas é muito alta e para que as mesmas se mantenham vivas, e como falámos há pouco, e de boa saúde, é necessário avaliar ao detalhe qualquer ação e decisão. Portanto não assuma riscos que não se traduzam em melhorias visíveis e que sejam o mais acertados possíveis. 

Aproveite todas as oportunidades de mercado e sempre que possível invista, arranje parceiros, crie uma rede de contatos e invista mais ainda!

Sugestões de leitura:

Vantagens do Empreendedorismo Social

Como transferir dinheiro para Portugal pela Wise (Antiga Transferwise)

Luis

Apaixonado pelas mais diversas formas de comunicação, interação e conexão fisica e digital entre marcas e pessoas. Numa relação inquieta com Marketing e com um grande compromisso com a comunidade on-line. Licenciado pela Universidade do Algarve no curso de Turismo vertente Marketing e especializado em Marketing Digital, com especial foco e interesse em redes sociais, onde desenvolveu estratégias de comunicação, marketing de conteúdo e ativação de campanhas de publicidade com segmentações estratégicas para diversas marcas inseridas em vários setores de atividade.

Deixe uma resposta